República para terceira idade! Viver em comunidade é uma opção

República para terceira idade!

Viver em comunidade é uma opção e não obrigação

República para terceira idade. Viver em comunidade

Viver em comunidade, ou Repúblicas é o tema deste artigo.

Em nosso site temos nos dedicado a pesquisar e estudar as necessidades das pessoas de terceira idade, tanto os dependentes físicos e emocionais, quanto aqueles que têm saúde, respaldo financeiro e capacidade de decisão.

Pudemos concluir através de duas pesquisas que fizemos que as pessoas de terceira idade enfrentam problemas comuns a quase todos, como:

  1. Solidão – mais de 60% dos idosos vivem sozinhos;
  2. Aperto financeiro – a aposentadoria não é suficiente para uma pessoa que vive sozinha e tem que bancar aluguel, água, luz, internet, alimentação; Mais de 40% dos idosos ou pessoas de terceira idade aposentadas vivem o sufoco financeiro, precisando ter um supercontrole para não se endividar; Aqui não falaremos dos idosos que vivem em completa miséria, mas aposentados de classe média-média;
  3. Falta de lazer, porque o dinheiro é curto ou tendo dinheiro falta companhia;
  4. Que maioria das pessoas de terceira idade, principalmente, as mulheres têm dificuldades para reconstruir uma vida com outra pessoa do sexo oposto;
  5. Por fim, detectamos que muitas pessoas gostariam de DIVIDIR MORADIA própria ou na moradia de outra pessoa de idade compatível e costumes semelhantes;
  6. E também, sabemos de pessoas que tendo um imóvel apropriado gostaria de montar uma república, mas encontra dificuldades no planejamento.

 

Com base no acima estudado e vamos repetir o estudo resolvemos propor aqui que pessoas de terceira idade, relativamente saudáveis, poderão deixar conosco seu cadastro para que possamos conhecer de fato as necessidades das pessoas e tentar (será uma tentativa) de organizar grupos de pessoas interessadas em repúblicas e encontrar INVESTIDORES para este projeto.

  • Não tenha receio, seu cadastro não será entregue a ninguém. Guardaremos e quando aparecer oportunidades de Repúblicas ou compartilhamento de moradia – avisaremos você e então, você mesmo decidirá se lhe convém contactar.

Entretanto, qualquer pessoa que tenha uma casa com 3 quartos e condições de habitabilidade, pode se aventurar na montagem de uma república convidando ou aceitando pequenos grupos de 4 até 10 pessoas.

Uma república de idosos com mais de 10 pessoas se torna muitas vezes de difícil convivência. Sendo eu, Regina Célia, uma idosa, e tendo criado o grupo no Facebook COMUNIDADE DOS SESSENTÕES com 7.000  e administro outro grupo também com quase 8.000 pessoas, tenho certeza que uma República para Terceira Idade somente funcionará bem se for com pequenos grupos que tenham muita afinidade. E é essencial que alguém do grupo seja ADMINISTRADOR com voz de comando, ou se tenha UM ADMINISTRADOR INVESTIDOR.

Decidir viver numa República para Terceira Idade não é o mesmo que se mudar para um hotel

Viver em uma comunidade como República para Terceira idade exige algumas ponderações:

  1. Ter certeza de que é isto que deseja. É um passo muito sério abandonar seus pertences, talvez alugar sua casa (jamais vender, porque um dia você pode precisar voltar);
  2. Saber que viver junto muitas vezes é saber renunciar aos nossos próprios costumes para se adaptar aos modos de vida dos outros ou das exigências que foram propostas na casa para os moradores;
  3. Obedecer horários das atividades principais como refeições, banho e sono;
  4. Saber ser gentil com as pessoas:
  5. Dividir responsabilidades desde a higiene do ambiente referente não só a sujeiras normais do dia a dia, mas também, a higiene de sons não altos, respeito aos pensamentos, princípios e religião daqueles com quem convive;
  6. Saber perdoar os pequenos erros dos amigos, uma cara feia de manhã, a falta de um sorriso, o seu silêncio e até sua lágrima;
  7. Saber confortar na tristeza e confraternizar na alegria;
  8. VIVER JUNTO É TER EM MENTE RENÚNCIAS SOBRE RENÚNCIAS QUE AO LONGO DO TEMPO ENTENDEMOS QUE VALEU A PENA PELA CONVIVÊNCIA, PELA TROCA, PELA AMIZADE, PELO CONFORTO DE NÃO SE SENTIR SÓ.

Quem não pode viver em Comunidade (Repúblicas)

 – Pessoas de gênio difícil, ranzinzas por natureza;

– Quem não sabe dividir espaços, comida, móveis, utensílios,  e tem um conceito muito forte de INDIVIDUALIDADE E PRIVACIDADE;

Pessoas portadoras de neuroses, fobias, ou diagnosticadas com depressão grave, psicopatia ou esquizofrenia.

 

Aceitação de novos membros na República

Criado o grupo original daqueles  que pretendem viver em comunidade para se aceitar novo membro por vaga ou por decisão do grupo, deve-se proceder com cautela, várias visitas do pretendente ao local, conversas em grupo, talvez passeios juntos, conhecimento, investigação da vida pregressa para não acontecer de colocar um ovo choco no meio de ovos bons e estragar de vez o ninho.

 

Qual é o maior problema de uma República de Terceira Idade?

Na aceitação da pessoa para o grupo, pode-se exigir relativa saúde que poderá ser vista a olho nú ou através de outras exigências.

Mas, todos nós somos vulneráveis e a pessoa de Terceira Idade por mais saudável que seja algum dia adoecerá, por poucos dias, aceitável, e se adoecer por doenças de longa duração e consuntiva? O que fazer?

 

Nós do site Terceira Idade Loja estamos dispostos a ajudar quem deseja montar repúblicas e também quem deseja morar em uma república.

Por favor, se cadastre para receber notícias do andamento deste nosso projeto.

Este cadastro é para quem deseja viver em república
– para investidores em repúblicas – veja outro artigo – cliqueaqui.

 

 

terceira idade loja

 

Add a Comment